Um Novo Começo

10/05/2017 – Jarde Lopes da Silva tem 24 anos e ele está na Luta pela Paz há 12 anos. Crescendo na Maré, os seus anos primeiros foram tumultuados, mas na Luta pela Paz, ele conseguiu encontrar estabilidade na sua vida, e agora ele é funcionário na Academia da Maré a tempo integral. Ele explica como, com o apoio da LPP, ele mudou o seu caminho.

“No auge da minha rebeldia eu estava com 13 anos de idade – noites em claro, drogas, festas, amizades, adrenalinas, namoros e tudo que uma vida sem restrições poderia oferecer.

Teve uma amiga na época que descobriu as coisas que eu fazia e, não contente, contou pra uma pessoa que trabalha no Luta Pela Paz (Dona Mirian). Depois disso minha vida virou um campo de guerra, de um lado as ruas de outro, a Dona Mirian e a Luta pela paz.

Depois de muita insistência por parte da Dona Mirian, com visitas e convites, ela acabou me convencendo de ir conhecer. De primeira me deu vontade de sair correndo, mas depois eu passei a gostar das aulas de integração, dinâmicas, passeios para teatro, cinema, museus e etc.

A minha maior briga foi interna, principalmente quando eu passei a sentir prazer em frequentar a instituição. De alguma forma as aulas de boxe me davam segurança. Só dos meu amigos saberem que eu estava praticando boxe, ele me respeitavam mais.

Depois de ter passado por quase todos os processos da instituição (aluno de boxe, conselho jovem, aluno do novos caminhos e voluntário) hoje sou assistente dos educadores de DPJ (Desenvolvimento Pessoal para jovens) Rosane e Gilson, e participo de uma formação dirigida pela Lola Werneck coordenadora da Liderança juvenil junto com outros jovens que se tornaram funcionários.

A formação tem me ajudado bastante. Discutimos nossa conduta enquanto funcionários, refletimos sobre como dialogamos com outros funcionários, dialogamos sobre a questão da diversidade de pensamentos dentro de uma empresa, falamos sobre crenças, valores, costumes, renda financeira e etc. Hoje me sinto mais tranquilo quando entro em algum debate e tento organizar melhor meu dinheiro. Sempre que acontece a formação, no final tem um trabalho pra casa, como por exemplo, preencher algumas planilhas.

A formação é um espaço que me fez e me faz refletir bastante sobre minha conduta enquanto funcionário. A luta pela Paz é minha família.”