Plantando sonhos, colhendo vitórias

18/07/2017 – Roberto Custódio, bi-campeão brasileiro de boxe, começou a sua carreira na Luta pela Paz 16 anos atrás. Convidado por um amigo para treinar na LPP em 2001, ele nunca tinha praticado boxe, mas assim que começou, ficou desesperado para se envolver mais, inspirado pelos boxeadores campeões da época, João Batista e Juca (ex-atletas da LPP). Devido ao reconhecimento que eles tinham ganhado dentro da Maré pelos seus talentos no ringue, ele ficou motivado pelo desejo de ser conhecido na comunidade como boxeador.  

O boxe era um talento natural, e ele evoluiu rapidamente na LPP. Em 2006 ele viajou para disputar o seu primeiro campeonato internacional, na Irlanda do Norte, com 18 anos de idade. No mesmo ano, ele perdeu na final do Campeonato ‘Luvas de Ouro’ em São Paulo, mas, com o apoio de Gibi, seu ex-treinador de boxe na LPP, ele voltou no ano seguinte para ganhar o campeonato por três anos seguidos, em 2007, 2008 e 2009. O reconhecimento de todas essas vitórias levou a sua convocação para a Seleção Brasileira de Boxe, da qual ele permaneceu membro de 2008 até 2016.

As suas viagens pelo mundo com a Seleção – para Londres, para as Olimpíadas de 2012, até Cuba e Venezuela – foram fascinantes, e ele julga essas experiências como fundamentais no seu desenvolvimento tanto como pessoa, quanto atleta. As experiências enriquecedoras desses anos mudaram o jeito como ele vê o mundo, e é essa forma de pensar que ele passa para as crianças e jovens na Luta pela Paz, onde ele continua a treinar boxe e dar aulas.

Ele nos conta ainda a respeito da sua decisão altruística: Quando acabaram as Olimpíadas ele foi para a Maré, onde está a sua família, terminou os seus estudos para ir para a faculdade, e se tornou sargento no Exército. Foi aí que Roberto começou a se dedicar à pedagogia e ao treinamento dos jovens da LPP, querendo passar para eles as suas experiências e um modo de aprendizagem e desenvolvimento baseado no esporte e na educação juntos. Ele descreve assim: que ele “fechou o círculo”, ganhando sabedoria e experiência no caminho, antes de voltar para suas raízes com a intenção de transmitir essa sabedoria para a próxima geração.

Quando solicitado de descrever, numa frase, o seu caminho da vida, Roberto, poeticamente, diz “Plantando sonhos, colhendo vitórias”