Apaixonada por fitness e desenvolvimento pessoal

25/04/2017 – Embora Athena Bashar, de 15 anos, more do outro lado da rua da Academia de Londres, levou um tempo para ela se envolver nas atividades da Luta pela Paz. Mas desde que participou da aula de boxe voltada apenas para mulheres, ela não voltou atrás.

“Há alguns anos atrás, a Luta pela Paz foi dar uma palestra na minha escola e eu fiquei muito interessada em participar, mas naquela época eu estava muito ocupada. Eu moro do outro lado da rua da Academia e hoje me arrependo de não ter vindo antes. Eu vi a Academia crescer e despontar mas eu precisava de uma motivação extra, de alguém que dissesse ‘vai Athena’! Depois eu descobri que alguns dos meus amigos eram membros da Academia e então finalmente eu vim preencher a ficha de inscrição com a minha irmã.

No início eu estava com medo porque nunca tinha estado em um ambiente como esse antes, mas eu fiz muitos amigos no primeiro dia e isso me fez querer continuar. Eu comecei fazendo a aula voltada só para mulheres e foi realmente muito bom. A nossa treinadora Star é incrível, ela é uma das pessoas que eu mais gosto e eu acho o instrutor realmente importante. Star ensina tantas coisas, e ela consegue ser rígida e divertida ao mesmo tempo – ela pressiona a gente, mas nós adoramos porque sabemos que é para o nosso bem.

A primeira vez que eu treinei na Luta pela Paz, eles nos ensinaram técnicas de defesa pessoal e eu acho que elas realmente funcionam. Eu tive uma experiência assustadora recentemente, quando uma pessoa me abordou na rua e tentou me convencer a entrar em seu carro e eu no mesmo momento pensei no que a minha treinadora Star me ensinou. Isso que é bom na Luta pela Paz e nas aulas voltadas para as mulheres, tudo que nós aprendemos fica guardado em nossas mentes e por isso você se sente mais confiante onde quer que você esteja.

Eu comecei com as aulas só para mulheres porque era apenas com meninas e eu achava que dessa forma eu ia me enturmar mais. Parecia lógico pra mim. Depois alguns amigos me incentivaram a fazer a aula mista de boxe também. Eu pensei, porque não vou com eles? E então eu comecei a fazer recentemente a aula mista de muay thai. A aula é puxada, mas pessoas mais experientes ajudam os iniciantes e a confiança que eu adquiri nas aulas para mulheres fez com que ficasse mais fácil participar.

Fazer as aulas de desenvolvimento pessoal na Academia também me ajudou a superar o sentimento inicial de intimidação na aula de muay thai. No desenvolvimento pessoal, você vê as pessoas de um âmbito diferente, e isso derruba muitas barreiras e te ajuda a ver como as pessoas realmente são fora da academia. Eu adoro essas aulas na Luta pela Paz, eu tenho uma amiga que as frequenta e que também adora. As aulas nos tornaram mais confiantes do que respondemos, de nossas visões e opiniões – você consegue dizer o que quiser sem se sentir intimidada.

Agora que treino regularmente, meu corpo se sente 100% mais forte e saudável, eu percebo que tenho muito mais músculos nas minhas pernas e eu nunca tive músculos antes. Quando eu fiz pela primeira vez a parte fitness da aula, foi muito difícil e eu tinha pavor dela, mas hoje em dia, sempre que eu venho, eu sinto que estou evoluindo. O que antes era difícil, eu tiro de letra! Eu adoro a parte fitness do treinamento e também o barulho ao socar o saco nas aulas de boxe! A minha prova GCSE, que é muito estressante, está se aproximando e a Luta pela Paz me ajuda a aliviar esse estresse. Até te incentiva a fazer mais trabalho na escola e parece uma coisa meio psicológica – você também tem mais energia.

Atualmente tem duas coisas que eu gostaria de fazer no futuro. Uma delas é ser terapeuta, porque eu acredito que terapia realmente ajuda as pessoas quando elas estão passando por momentos difíceis. Por outro lado eu também gostaria muito de me tornar professora porque eu adoro crianças. Talvez essas sejam duas coisas que eu consiga combinar. Recentemente um garoto da minha escola se matou e isso me fez refletir sobre o fato de que as escolas deveriam providenciar terapia para os alunos. A Luta pela Paz proporciona isso, você pode falar com qualquer um e eles vão te ajudar. As pessoas são como terapeutas pessoais, o que eu acho muito bom. No futuro eu gostaria de trabalhar como voluntária nessa área na Luta pela Paz para ganhar um pouco de experiência.

Isso é o que eu adoro na Luta pela Paz – o ambiente. Não é apenas um lugar em que você vai ter aula e vai embora, você pode fazer amigos, você pode criar laços com as pessoas, eu conheci tantas pessoas aqui. É realmente como uma segunda família pra mim!”