Entrar em um ringue de boxe exige força e coragem

29/12/2017 – Entrar em um ringue de boxe em uma competição exige força e coragem. Também precisa de muita dedicação e sacrifício para atingir o nível de preparo físico necessário para competir. Essas qualidades são desenvolvidas em todas as disciplinas de boxe e artes marciais oferecidas na Luta pela Paz, e foram demonstradas pelos competidores no último evento de boxe da organização, realizado no sábado em North Woolwich, em Londres, em parceria com o West Ham ABC.

O evento contou com um total de 18 lutas. Tínhamos Laslow Varga, Mohammed Muhidin, Dylan Oke e Kuba Raduszewski representando a Luta pela Paz – com os últimos três estreando nas competições. Os estreantes conquistaram a vitória, enquanto Laslow foi o único que não obteve o resultado esperado na luta.

“Foi uma boa experiência. Eu acho que a Luta pela Paz foi o melhor lugar que eu podia ter para estrear no boxe”, disse Dylan Oke após sua vitória. “Minha mensagem para todos que pensam em competir é: vá, pois não haverá nenhum sentimento que descreva como é estar no ringue.”

BoxingShow_Text_29.01.2018

Kuba Raduszewski, que teve uma performance corajosa com uma vitória por decisão dividida, falou sobre a importância do boxe na sua vida: “Eu me sinto muito cansado, mas pelo menos sinto que conquistei alguma coisa. O boxe é uma experiência que muda a sua vida, muda sua condição física e a forma como você vê a vida. Quando venho para a Luta pela Paz, sinto que faço parte de um grupo de pessoas que vivenciaram o que eu vivenciei, e nós nos ajudamos como uma equipe em lutas diárias ou com o condicionamento físico.”

O boxe e as artes marciais são uma parte importante da metodologia dos Cinco Pilares da Luta pela Paz, desenvolvida para ajudar os jovens a alcançarem todo seu potencial: “Os esportes de luta promovem o respeito, a disciplina, o autocontrole e nos ensinam que nós colhemos o que plantamos“, explicou o gerente executivo da Fight for Peace, Jacob Whittingham. “Ver as performances de cada um dos competidores hoje, e conhecer tudo o que eles tiveram que passar e sacrificar pra chegar até aqui, nos inspira a ultrapassar os nossos limites e a nos dedicar para sermos o melhor que pudermos.”