Combatendo a violência com Temi Mwale

20/02/2018 – A Luta pela Paz recebeu na última terça, no Rio de Janeiro, a visita de Temi Mwale, diretora da organização The 4Front Project Ltd – Empowering communities to live free from violence, uma empresa social liderada por jovens que trabalha na prevenção e combate à violência em Londres e uma das que lideram o movimento de combate à violência entre os jovens na Inglaterra. Temi foi reconhecida como uma das Forbes 30 under 30.

A organização The 4Front Project Ltd está pesquisando as melhores iniciativas de redução da violência entre jovens nos Estados Unidos e no Brasil para entender as diferentes abordagens e compartilhar as descobertas no Reino Unido. Ao mesmo tempo, Temi quer compartilhar com organizações brasileiras a experiência dos países daquela região.

Temi visitou o escritório da Luta pela Paz, onde conversou com Luke Dowdney, fundador e diretor da Organização, e a Academia, que fica dentro do Complexo da Maré, área vulnerável e violenta do Rio de Janeiro. Lá ela pôde conhecer um pouco da realidade dos moradores da comunidade, conhecer algumas atividades de desenvolvimento realizadas pela Luta pela Paz, um pouco da metodologia aplicada por ela e conversar com os jovens, que assim como Temi, também combatem a violência.

Temi gostou muito de conhecer a Luta pela Paz: “Quando conversei com Luke, ele falou a respeito da Academia na Maré, onde tudo surgiu, onde a metodologia foi desenvolvida e expandiu para outras organizações, que foram treinadas ao redor do mundo. Isso despertou o meu interesse em conhecer alguns jovens daqui, dessa comunidade, frutos desse desenvolvimento, do resultado desse trabalho. Essa comunidade é mais marginalizada que as outras que conheci e a escala do impacto nela é muito maior porque nela há pessoas que não saem daqui, que têm toda a sua vida aqui e que não têm necessidade de sair, mesmo havendo um mundo totalmente diferente lá fora.

Mesmo assim, a Luta pela Paz consegue criar uma ponte e possuir um alcance global. Ao mesmo tempo que está dentro da comunidade, ela participa dessa Rede Global, que permite que pessoas de outros lugares do mundo conheçam esse trabalho, participem dele e possam contribuir. Os jovens participantes das comunidades também usufruem das oportunidades oferecidas por essa Rede Global e isso é muito interessante”.

Em uma roda de conversa com Temi, os jovens deram sua opinião sobre o que consideram necessário para que haja a paz. Carlos, aluno da Luta pela Paz, deu seu parecer: “O Estado influencia em muita coisa, mas também precisamos mudar a nossa forma de pensar. Tem que haver um pensamento colaborativo de paz entre as pessoas. Se há um sentimento de paz em mim e eu quero a paz, as pessoas ao meu redor também têm que querer a paz”.

Conheça mais sobre o trabalho de Temi Mwale:
https://youtu.be/r0zkxdDRo9E.